Aos amantes de Veneza

Hoje finalizei a leitura de um livro chamado ” Aconteceu em Veneza”. E não, a história nada tinha a ver com todas aquelas outras obras que se passam na famosa cidade flutuante como ” Morte no Lido”, ” O Turista” ou “Golpe de Mestre”. Nada de criminosos sendo perseguidos no Grand Canal, nada de assassinatos ou explosões. Mas não foi pela falta de ação que fiquei decepcionada, não mesmo. Eu até que gostei bastante do livro, mas é que tenho expectativas altíssimas quando se fala em Veneza. Explico-me.

Meu caso de amor platônico Veneziani começou antes mesmo de eu me dar conta de que estava apaixonada por Veneza. E assim, como uma clássica paixão avassaladora, tomou conta de mim e me dominou por algum tempo. Tudo começou com um pôster de filme (esses que ficavam nas locadoras antigamente) que eu comprei em um site da web. Queria algo novo para meu quarto e me deparei com esse, do filme “Il Bacio”. Era um cena de beijo, de amor, e afinal, eu estava precisando de bastante amor naquela época ( e aliás, quem não está?).

Il Bacio Lulu no Pais das Maravilhas

Fiquei anos e anos admirando aquele quadro, sem saber ao certo o que estava olhando. Na verdade, eu me sentia conectada, eu sentia que estava lá, que eu era aquela mulher, a do guarda-chuva vermelho. Era eu mesma, tinha certeza, talvez em uma outra vida, tinha vivido um grande amor naquele lugar, só podia ser!

O tempo passou, a vida aconteceu e eu me mudei para São Paulo, feliz, animada e pronta para o melhor. O quadro, passei para o quarto dos meus pais, há algum tempo. E assim, de repente, eles tiveram a coerência e sensibilidade de me informar, em um comentário comum no último fim de semana, que adoram aquela foto linda de Veneza. Como eles acabaram de voltar da Itália e amaram seus dias pelo canal, estavam com a memória tão fresca que puderam até me garantir  que tinham tirado uma foto naquele mesmo ângulo, com aquele mesmo fundo (p.s: não é essa foto!).

veneza Lulu no Pais das Maravilhas
Veneza

Quanta lerdeza a minha! Mas que beleza perceber que, mais uma vez, o universo e Deus (de mãos dadas) trabalharam de um forma bela e misteriosa, mas acima de tudo, perfeita. Depois de tanto admirar abobadamente aquele beijo, bem na frente das gôndolas (é, as famosíssimas gôndolas!), sem ter a menor noção do que se passava na minha frente, enfim, eu fui levada até lá.

Isso mesmo, até Veneza. Quando conheci o homem da minha vida, tudo mudou, o mundo ficou mais leve ou eu fiquei mais forte. Voltei a sorrir e me animei com a vida, mais uma vez. Não que estivesse tão mal ou deprê, só tinha levado uma pancada daquelas (mas que no meu caso tinha sido só mais uma de uma lista) e estava me recuperando para meu próximo vôo. Então ele veio e me deu a mão. Não precisou de mais de 3 meses, já estávamos grudadinhos programando uma grande viagem para a Itália, juntos. Passaríamos um mês inteiro viajando de carro pelo país, de Milão à Costa Amalfitana. Loucura para uns, para nós era garantia de felicidade.

Partimos rumo ao nosso destino. E não demorou, logo que nos encontramos, eu e Veneza, percebi que ela já estava me esperando. Como uma antiga conhecida, abriu seu céu azul e suas águas mansas para nos dar boas-vindas. E o meu amor, meu amor de verdade, abriu o coração e me levou para dentro dele: “Quer casar comigo? E viver ao meu lado para sempre?”.

Lulu no pais das maravilhas Veneza 3
Lulu em Veneza

Quem não acredita em histórias desse tipo “sessão da tarde” (ainda existe?) não sabe o que perde. Venha falar comigo, se quiser, pois eu tenho um monte delas. Se não se importar de ter que ouvir também alguns casos bizarros, assustadores e sem-pé- nem-cabeça, venha falar comigo. Pois não há bem que sempre dure, nem mal que nunca se acabe. E não há nada, nadinha nessa vida, que seja melhor do que uma boa dose de romantismo e esperança para salvar o dia. E depois do pedido de vida a dois, fomos de barco do Lido (onde ficamos hospedados) até Veneza e curtimos uma tarde de muito romance, passeios de gôndola, lugares fantásticos e comida boa. Tem coisa melhor?

veneza Lulu no Pais das Maravilhas 2
Lulu em Veneza

Os realistas que me perdoem, eu amo o cheiro de Veneza. Amo o amor que paira em Veneza, amo meu antigo quadro de Veneza, amo o que aconteceu comigo em Veneza.E hoje, amo mais do que tudo, o meu Veneziani. Ah, e não é que virei uma Veneziani também! Se eu voltasse no tempo e contasse para aquele menina melancólica, que encomendou o poster sem nem saber do que se tratava….é, acho que ela não acreditaria mesmo. Agradeço pela minha ignorância naqueles tempos .Agradeço também, pela tempestade no último dia de viagem em Veneza, pois uma boa história sempre precisa de um chamado à aventura, certo?

Lulu em Veneza
Lulu em Veneza

E para mim, a vida é assim: feita de boas histórias, cheias de romances e de alguns muitos desencontros. Vale mais lembrar dos encontros, sem dúvida. Ah, e sempre, eu digo seeeeempre, vale ouvir ao seu chamado.E tem que se mover, minha gente, e esperar com fé, até que o mundo se mova e te abrace novamente.

Bom, qualquer dia eu conto mais para vocês sobre Veneza. Aguardem!

Lulu em Veneza
Lulu em Veneza


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *