5 dicas para ver Londres como você nunca viu!

Fazia muito tempo que tinha voltado de Londres pela última vez. Tempo mesmo, mais de 10 anos! Então aproveitei a escapada de poucos dias para curtir uma parte de Londres que não tinha aproveitado nas outras viagens à Inglaterra.

Neste post vou dar 5 dicas para ver Londres como você nunca viu!

o que fazer Londres
o que fazer Londres

Vou começar com algumas dicas sobre o que fazer em Londres. Li bastante antes de viajar mas concluí que eu tinha muito pouco tempo para fazer tudo que eu queria 🙁 Então escolhi fazer um número menor de atrações, mas fazê-las da melhor maneira possível! E quando vi que as temperaturas iriam estar abaixo de zero, botei mais casaco na mala e fui animada. Nunca tinha visto Londres dessa maneira, embaixo de neve!

o que fazer em Londres
Londres no inverno

 O que é imperdível em Londres:

  1. Royal Tour, a pé! Achei este tour no site: e simplesmente adorei a ideia. O serviço é oferecido por guias locais, que sabem tudinho de Londres. Eu fiz o Royal Tour com o Tom, e adorei o passeio! Durou aproximadamente 3 horas e fomos nos pontos que são super relevantes a história da Realeza da Inglaterra. Para quem gosta de história (eu!), é um tour super interessante! E se você gosta dos seriados que tem algo a ver Inglaterra, (com a Victoria, The Crown, Donwtown Abbey e coisas do gênero)  – eu também! – pode se interessar pelo royal tour também 🙂 Não tem mais nada inglês do que realeza (e uma cup of team, né?)

    o que fazer Londres
    Royal Tour em Londres
  2. London Eye VIP: o passeio pela roda gigante, a London Eye, é legal, independente do valor que você paga. Só de ver Londres do alto….coisa mais linda! Mas nesta viagem descobri que tinha tickets “normais”, tinha os “fast-tracks” que pegam uma fila menor e ainda tinha os VIPs. Como a diferença era pequena (tipo 5 libras a mais), decidi experimentar o London Eye VIP e achei que valeu muito a pena. A espera rola em um lounge quentinho com vistas lindas de Londres e quando chega a sua vez, a guia vem buscar o grupo seleto para entrar na roda gigante. Então você ganha uma taça de champagne durante o passeio. E o plus é  um guia explicando tudo dentro da cabine, uma mapa mega detalhado 360 graus, e número reduzidos de pessoas.Como eu não sou super fã de altura, achei que esses pequenos detalhes fizeram meu passeio muito mais agradável! 😉
    o-que-fazer-Londres-(11)
    London Eye, VIP
    o que fazer Londres
    London Eye VIP

     

    Chá da tarde como você nunca viu!

  3. Chá da Tarde Top: The Afternoon Tea no The Goring Hotel, coisa de gente muito fina 🙂 Nosso guia local nos contou que membros da família real adoram convidar os amigos para um chá da tarde no The Goring. Com mais de um século de experiência e perfeição na arte do chá da tarde,  este hotel tem um salão lindo que é palco da experiência de 3 as 4 da tarde, todos os dias. E não é só chá, não, gente, tem também a opção  de Afternoon tea with Bollinger, aquele champagne que é lenda! Todas as informações sobre o chá da tarde estão aqui: https://www.thegoring.com/food-drink/afternoon-tea/
    o que fazer Londres
    Chá da tarde no The Goring

    Compras em Londres: como você nunca viu!

  4. Compras na PrimarkSaindo do chá chic da tarde direto para a loja mais barata de departamento que já vi na vida 🙂 Sou fã da Primark desde sempre e toda vez que posso, dou uma passada lá 😉 Compras na Primark já faz parte da tradição de passear por Londres. Lá você encongtra peças de fast fashion pelo preço mais em conta que você já viu na vida. Claro que, algumas peças são simples e vão durar uma temporada, mas eu também tenho peças que já duram 10 anos 😉 Portanto, se você gosta de compras, vale uma visita!
    O que fazer em Londres
    Primark, em Londres

    Frio e neve em Londres: como você nunca viu!

  5. Inverno em Londres: já conhecia os invernos ingleses, cheio de chuva e vento. E também já um vislumbre do que era o verão, que também tem seu charme. Mas nada, em nenhuma das visitas anteriores, tinha visto um Londres tão maravilhosa com a Londre embaixo de neve! 😉 Confesso que quando vi a previsão do clima já estava com as passagens compradas e não ia desaminar de jeito nenhum 🙂 Mas que tava frio, tava! Demais! E que a neve caindo atrapalha o trânsito, os voos, e toda a vida “normal”, sim, ela atrapalha. Mas se você tivesse a sorte de estar passeando por Londres, ia sentir toda a mágica de uma Londres branquinha.
    o-que-fazer-Londres-(8)
    Londres, no inverno

    Fiz um post curtinho só para compartilhar algumas coisas legais desta viagem 🙂 mas espero que tenham gostado das dicas! Obrigada pelas mensagens de carinho, leio todas e me emociono!

    Mais algumas fotos da minha viagem por Londres 😉 Mil beijos!

    o-que-fazer-Londres-(8)
    Londres, no inverno

    o-que-fazer-Londres-(8)

    o que fazer em Londres
    o que fazer em Londres
    o que fazer em Londres
    Londres no inverno

     

Para quem quer viajar mais (e sempre)

Se você é uma daquelas pessoas que amaaaaa viajar, mas ainda viaja muito menos do que gostaria, este post é para você! Se você acha que só quem é rico e “tem a vida ganha” é que consegue viajar tanto…este post é para você também!

Se você me segue, já deve ter percebido que não fico mais do que 30 dias no mesmo lugar 😉 E eu escolhi viver assim – isso mesmo, escolhi! Mas isso não quer dizer que foi uma escolha que caiu do céu no meu colinho e menos ainda que ocorreu da noite para o dia. E como recebo muitas perguntas sobre como  “criei” essa vida de viagens….aí vai o meu relato:

Como comecei a viajar

Quando era criança, sempre viajava com minha família nas férias. As viagens significavam muitas horas de carro – naquela época que viajava 6 pessoas em um carro, todas sem sinto de segurança e alguém segurando a torta de frango! Eu nasci em Belo Horizonte, Minas Gerais e a gente gostava era de ir para a praia, como todo e bom mineiro. Eu também adorava visitar a casa dos avós no interior 😉 E isso era o máximo que rolava!

Quando chegou a adolescência, minhas amigas foram para a Disney e NY mas eu era da turma da capoeira, do forró e o que eu queria era Arraial D’ajuda. Quando entrei na UFMG, depois de muito estudo e uma boa dose de sorte, fui para um congresso de Administração no Chile. E esta foi a primeira vez que eu viajei para fora do Brasil. Sozinha e a trabalho – e pronto: eu nunca mais seria a mesma.

A primeira viagem sozinho para o exterior

Nessa viagem conheci pessoas que me contaram de países distantes, culturas novas e de um estilo de vida que eu nem sabia que existia: o de viver viajando. Talvez, em 2005, isso quase não existia mesmo. Lembro que aquela foi minha primeira vez em um hostel, e dos medos que tive naqueles dias. Voltei do Chile decidida a fazer algo com a minha vida.

Eu queria viajar por longas temporadas, então trabalhei durante todo o período que fiz universidade, em mais de um emprego ao mesmo tempo, quando tinha essa oportunidade. Fracassar não era uma opção – a meta era ralar e fazer acontecer (eu era nova gente, cheia de vontade!). Em um certo semestre, quando a data da minha primeira grande viagem se aproximou, comecei a fazer eventos também (e aí era o terceiro turno). Eu sabia que meus pais me ajudariam se eu pedisse, mas não queria pedir uma viagem de “férias”, eu queria independência para “rodar o mundo”. E depois de muito trabalho e correria no curso – tranquei o semestre e fui conhecer o mar mediterrâneo com uma mochila de 12 quilos como única companheira.

Naqueles dias, não tinha skype, facebook, e o salário mínimo era menos de 300 reais. O mundo era outro, mas acredito que alguns de vocês têm idade para saber disso! Lembro que trabalhei de garçonete na primeira ilha grega que morei e achei que meu salário em euros era sensacional! Também fiz alguns trabalhos temporários nas outras ilhas. Tudo que pudesse me dar a chance de continuar viajando….eu fazia. Viajava com muito pouco, economizava, ficava em hostels de até 5 euros a diária (dormia em quarto misto – e dormia de roupa porque se precisasse sair correndo de algum tarado à noite, eu estaria pronta). Lavava pratos em troca de acomodação, se fosse o caso 😉 e fazia feliz.

Nesta primeira viagem, conheci muito bem a Grécia, descobri  a Turquia, me encantei pela Inglaterra e me aventurei pela Escócia. Lembro que vi o ano novo em Edimburgo voar pelos ares em uma noite de virada que teve furacão. Voltei para o Brasil para terminar o curso mas já estava decidida: eu iria voltar para morar na Grécia.

O momento da decisão

E foi isso que fiz, com muito, mas muuuuuuito esforço, gente. Acho que já devia ser parte do meu destino, porque eu era muito obstinada. Como minha família é toda de imigrantes europeus (meus pais são filhos de gregos de italianos e mais lá atrás temos sírios e portugueses na família também), viajar e mudar de país deve estar no meu sangue. Isso facilita na parte dos papéis e na dupla cidadania, mas não facilita na jornada rumo ao desconhecido.

Não gosto de me colocar em uma posição de vítima da vida – eu não sou!! – mas por muito tempo me sentia “uma sobrevivente”. Tive um dos piores empregos da minha vida na ilha grega de Corfu, mas aprendi muito sobre chefes abusivos, homens agressivos e pessoas malucas. Como sempre viajava sozinha, passei por situações tristes e sofridas relacionadas à tentativas de abusos sexuais, mas eu era uma sobrevivente e iria sobreviver. Então eu reagia, lutava, ou corria, fugia. Eu não queria nem pensar em desistir do meu sonho de viajar por causa do MEDO. Aprendi, por questão de sobreviência, a “ler as pessoas” e escolhi melhor os locais e as companhias. Me senti muito sozinha. Eu não contava com ninguém naqueles dias, mas a vida me deu presentes e fiz grandes amigos, muitas pessoas me ajudaram quando precisei. Minhas família veio me visitar algumas vezes quando morava fora e sempre me apoiou mesmo sem concordar com as minhas escolhas.

Perdi parentes queridos enquanto estava na luta para me estabelecer no exterior, e isso dói tanto que nem consigo descrever. Fiquei sem dinheiro e trabalhei em mais um tanto de empregos que eram vistos como “subempregos” mas realmente, nunca me importei. Eu estava aprendendo e tinha clareza que era apenas uma parte da minha jornada. E uma parte bem necessária para criar a força e resistência que eu iria precisar adiante – mas isso só Deus sabia.

Quando abri meu primeiro negócio eu tinha 23 anos e já tinha feito de tudo um pouco (inclusive trabalhado com organização de casamentos – quem diria!). A minha primeira loja em Santorini foi um sucesso e um fardo, que me alegrou e me fez chorar demais. Por questões pessoais, tive que largar tudo na ilha do vulcão e voltar para o Brasil. E aí recomecei de novo – pela terceira vez –  tinha 24 anos e me sentia uma velha cansada e fracassada.

Depois do segundo negócio, veio o tombo, depois do terceiro, mais lições e então abri meu quarto negócio. Todos estavam ligados a viagens, porque esse era meu sonho – viver viajando. Depois do primeiro negócio virtual, veio o segundo, o terceiro, o quarto e o quinto. E já estamos no sexto. Conheci meu marido, que também ama viajar e este é nosso hobby favorito. Noivamos em viagem pela Itália, casamos na Grécia – juntos já fomos para o polo norte e polo sul! E outras tantas viagens maravilhosas!

Depois de escrever mais de 500 posts sobre a Grécia, a paixão virou trabalho sério. Depois de ajudar mais de 200 noivas, veio a primeira noiva que me contratou e hoje somos a empresa que mais faz casamentos em Santorini para brasileiros – temos uma equipe e trabalhamos num ambiente onde sonhar é permitido! E a cada foto linda que vocês verem de mim, lembrem que eu devo ter tirado 200 para postar 1. Em cada registro de viagem maravilhosa que você ver, lembre-se que tem uma menina que já teve síndrome do pânico e medo de voar – mas como vocês já sabem, eu escolho que o MEDO não vai decidir a minha vida. Sou eu, de mãos dadas com Deus, que vou escolher meu caminho.

Este post saiu totalmente fora do que eu tinha planejado compartilhar com vocês (virou um desabafo maluco) mas espero que possa servir de reflexão e inspiração…..

Eu acho que o que que quero dizer é: tentem – tentem o máximo que vocês podem.

É assim que os sonhos se realizam.

E se hoje eu viajo o mundo todo, e tenho a alegria de viver todos os meus verões nas ilhas gregas é porque tem mais de 10 anos que mentalizo isso, mais de 3650 dias que trabalho para isso. Com muita fé, amor e gratidão!

E se você não tem grana e odeia seu trabalho, não desanime: espero que você possa encontrar o seu caminho. Não tem nada que funcione tão bem quanto o desejo vindo da escassez – quando ele vem atrelado ao sonho de ser feliz, feliz de verdade, com aquela felicidade do tamanho do mundo.

Não existe vida fácil – existe gente que não desiste. Desejo que você seja assim 🙂

Dicas-de-Santorini
Dicas de Santorini – Oia pela manhã

O que vestir no inverno na Grécia: 10 dicas e looks!

Queridos leitores!

Como estou em mais uma viagem maravilhosa pela Grécia e muitos de vocês pediram dicas do que vestir no inverno na Grécia, criei este post para vocês fazerem suas malas sem quebrar a cabeça 🙂

O que vestir na Grécia no inverno!

Muitos de vocês sabem que a Grécia é um destino incrível para o verão (ainda mais as ilhas gregas!) mas a Grécia também é muito linda no inverno. É importante saber o que esperar dessa viagem, então se você acha que vai tirar aquela foto na piscina de borda infinita, comece por este post sobre Santorini no Inverno: o que você precisa saber.

Saiba sobre as temperaturas no inverno na Grécia:

Antes de mais nada, saiba que no inverno na Grécia, as temperaturas variam de 0 a 15 graus Celsius. A média tende a ser 10 graus nos meses do inverno (médias para Atenas) e é claro que no norte é muuuuito mais frio e que nas ilhas o tempo é maluco e imprevisível. No micro clima das ilhas, a única coisa que nunca falha é o vento gelado. Como eu não sou profeta nem mulher do tempo, a melhor coisa é conferir as temperaturas próximas ao local e data de viagem em sites, como este aqui:

http://www.holiday-weather.com/athens/averages/#chart-head-temperature 

E em muitos anos de viagens no inverno da Grécia, já peguei semanas bem quentes com sol, céu azul e até 18-20 graus como também já presenciei frentes frias que levam a sensação térmica para -3. Então, é um pouco difícil de ter certeza do que vai ser, mas organizei tudo de importante e útil que aprendi nessas viagens para compartilhar aqui. Espero que ajude 🙂

10 dicas sobre o que vestir no inverno na Grécia:

1) Antes de mais nada, prepare-se para o longo voo até a Grécia. Lembre-se que no Brasil é verão enquanto na Grécia é inverno e a pior coisa é já chegar no país morrendo de frio. Como o ar condicionado da maioria dos aeroportos funciona e o ar dos aviões é gelado, meu conselho é viajar já com calça comprida, blusa de frio e casaco grosso na mão. Eu ainda levo na bolsa de bordo alguns itens que podem me salvar mas que dependem do seu nível de frio (meia calça, meia térmica, gola de lã, cachecol, mais uma blusa de frio, uma camiseta para colocar por baixo e por aí vai….)

Esta e todas as fotos deste post são do meu Instagram – e aproveito para fazer o convite: vem comigo pelo mundo no @luana_sarantopoulos 😉

O que vestir no inverno na Grécia (5)
O que vestir no inverno na Grécia – Look para viajar para a Grécia

2) Leve um casacão que você ame. Ele pode ser super básico ou super diferentão, o importante é usar algo que te deixe sempre protegida do frio na medida que você sente que é confortável. É bom que ele seja “larguinho” assim você pode colocar camadas de roupa embaixo, em caso de frio extremo (veja a dica número 3, mas antes a foto do look do meu casaco “básico” – já postei muitas fotos com ele!)

O que vestir no inverno na Grécia (2)
O que vestir no inverno na Grécia – Delfos, Grécia

3) Aprenda a usar camadas de roupas. Muita gente que mora em lugar frio ou viaja sempre para locais onde os invernos são rigorosos (o da Grécia não é tão rigoroso) sabe que usar camadas é o segredo para não morrer de frio na rua nem de calor nos locais fechados. Segundo um amigo meu islândes, “não existe tempo ruim, apenas roupas ruins para aquele tempo”. Então, já monta a mala pensando: camisetinha + blusa de manga comprida + blusa de lã grossa + casaco grosso + gola de lã….e use a quantidade necessária para aquele dia.

Mais dicas sobre o que levar na mala para a Grécia aqui neste link.

 

O que vestir no inverno na Grécia (2)
O que vestir no inverno na Grécia – Atenas, Grécia

 

4) Saiba que, em geral, o inverno na Grécia é agradável. Nem um pouco similar com Islândia, Reino Unido e outros locais que tem chuvas ou neve constantes, o inverno na Grécia tende a ser ameno, ainda mais se você for sortudo. Mas ainda assim, mesmo para um dia quente e com céu azul, é bom lembrar das camadas e ter sempre o casacão a mão.

O que vestir no inverno na Grécia (12)
O que vestir no inverno na Grécia – Santorini

 

5) O dia pode estar lindo, mas o vento pode e deve estar gelado.  Vento é uma constante nas ilhas gregas, ainda mais nas ilhas gregas do mar egeu, como as famosas Santorini e Mykonos. Então, é melhor escolher as roupas para a viagem já sabendo que vai ter vento, aí não tem erro.

O que vestir no inverno na Grécia (2)
O que vestir no inverno na Grécia – Santorini, Grécia

6) Tenha sempre opções de look total black. Não sei se vocês sabem que eu sou a perua assumida dos posts de looks 🙂 E no verão na Grécia gosto de usar muito branco e colorido e no inverno gosto muito de usar preto e cores sóbrias. Se você não se importa com isso, ok, seja feliz do seu jeitinho, e se você se importa saiba que um look completo com preças pretas é uma ótima pedida para o inverno na Grécia.

O que vestir no inverno na Grécia (10)
O que vestir no inverno na Grécia – Atenas, Grécia

7) Ah, leve a jaqueta de couro! Não importa se ela é nova ou antiga, colorida ou preta, se você tem uma jaqueta de couro prepare para usar ela em cima de todos os looks que você quiser no inverno da Grécia.

8) Aproveite para visitar a Acrópole de Atenas no inverno da Grécia. Lá de cima, um dos pontos mais altos da cidade, pode e deve estar mais frio e com um vento considerável então aproveite para levar e usar sua golã de lã ou cachecol.

O que vestir no inverno na Grécia (10)
O que vestir no inverno na Grécia – Atenas, Grécia

 

9) Para os pés: botas de salto baixo e aquele tênis que você ama – de preferência aqueles que ficam confortáveis com meias de lã, porque pé gelado aumenta demais a sensação de frio. E leve também uma bota de salto alto para eventos bacanas ou para sair a noite.

O que vestir no inverno na Grécia (9)
O que vestir no inverno na Grécia – Atenas, Grécia

10) Respeite seu estilo, SEMPRE. Eu adoro usar cinza e preto no inverno, mas também usei bastante jeans e rosê nessa última viagem. O melhor é ser feliz, gente, preciso nem falar, ne? 😉

Espero este post com minhas dicas do que vestir no inverno da Grécia tenha sido útil. Como de costume, quero desejar mais uma vez que vocês realizem o sonho de viajar para a Grécia! É um país maravilhoso que está de braços abertos para os viajantes brasileiros.

Venham!!! Mil beijos!

O que vestir no inverno na Grécia (4)
O que vestir no inverno na Grécia – Santorini, Grécia

Roteiro para Creta: como explorar a maior ilha da Grécia

Se você acompanha o blog, já deve ter percebido. Eu amo a Grécia! E as ilhas gregas, então…..!

E neste post vou compartilhar com vocês uma sugestão de roteiro para Creta: como explorar a maior ilha da Grécia. Já vou avisando que meu roteiro é nada óbvio e meus passeios são baseados nas minhas pesquisas e não tanto no “obrigatório”.

A primeira coisa que você tem que saber sobre Creta é que ela é a maior ilha da Grécia 😉 São três aeroportos, são mais de 350 praias espetaculares e muitos e muuuuuuitos quilômetros de costa exuberante. Se é isso que você quer nas suas férias, a ilha de Creta é seu lugar!

Mas todo bom roteiro para Creta também deve incluir algumas cidades importantes, e claro, muita história 🙂 se tem uma coisa que faz meu coração bater mais rápido em Creta é a importância história daquele canto do mundo. Me chamem de cafona, eu sou mesmo, mas eu admiro muito a bravura do povo cretense (“aqui não é Grécia, é Creta!”) e sua história de resistência frenética frente aos violentos invasores ao longo de muitos e muitos anos.

Roteiro para ilha de Creta na Grecia (13)
Roteiro para ilha de Creta na Grécia

Bom, dito isso, aviso que neste post vou falar do roteiro que fiz em Creta na minha última ida a Grécia. Só para esclarecer, foi minha terceira vez na ilha de Creta, então caprichei para explorar uma parte da ilha que tinha me dado muuuuita mas muuuuita vontade de conhecer melhor nas duas primeiras viagens.

Para os interessados em roteiros para Creta e Grécia, aqui tem mais alguns posts com dicas úteis, histórias curiosas e fotos maravilhosas da ilha de Creta:

Dicas de Creta,  da cidade de Chaniá e da praia de Elafonissi

Dicas de Creta, Grécia: Monastério de Arkadi

Veja Creta pelas lentes de um Fotógrafo de Casamentos na Grécia

Então, vamos à sugestão de Roteiro para Creta!

O meu ponto de chegada em Creta foi cuidadosamente escolhido para que eu pudesse aproveitar o máximo de tempo no lado oeste da ilha, então escolhi chegar pelo aeroporto de Chaniá.

Existem muitos voos bons e baratos no verão e Chaniá é uma cidade mega charmosa com um zilhão de opções de acomodação. 🙂 Mas eu confesso que escolhi Chaniá porque eu queria ficar mais uma vez na região de Akrotiri (isso mesmo, tem Akrotiri em Creta também 🙂 ) e de preferência, colada na praia do Stavrós. Sim, a praia do Zorba! Olha que visual…:)

Roteiro para ilha de Creta na Grecia (7)
Praia do Stavrós, também conhecida como praia do Zorbás
Roteiro para ilha de Creta na Grecia (6)
Praia do Stavrós, também conhecida como praia do Zorbás

Foi bem na frente dessa montanha que o personagem Zorbás dançou o sirtaki mais famoso do mundo 🙂 mas muito além disso, a praia do Stavrós oferece beleza natural e muita tranquilidade.

Eu amo aquele lugar!

Roteiro para ilha de Creta na Grecia (3)

Roteiro para ilha de Creta na Grecia (3)

E a cor da água?? Esta praia é perfeita para crianças e quem gosta de mar calmo.

Então, escolhi a praia do Stavrós para relaxar e curtir um pouco de férias, e foi lá que meu roteiro não óbvio começou. E lá fui eu em busca de programas super especiais na ilha de Creta, na Grécia.

Um ponto turístico super comentado pelos jovens gregos viajantes é o Seitan Limania. Mas quando eu pedi informações aos locais, os moradores de Creta falaram que o lugar é muito pequeno e que dá muito trabalho para chegar lá e por isso, é besteira dedicar um dia para conhecer o Seitan Limania. E como ele fica na mesma região de Creta, resolvi dar uma espiada no local para tirar minhas próprias conclusões.

Minha opinião: o lugar é maravilhoso SIM, e vale aquela visita talvez para ver com os próprios olhos que esta belezura existe. NÃO É FILTRO, GENTE, É DEUS MESMO!

Roteiro para ilha de Creta na Grecia (10)
Roteiro para ilha de Creta na Grecia: Seitan Limania

Mas também é pura verdade que o local é bem pequeno (a praia é só um pedacinho de areia) e que tem que pegar uma estrada super curvilínea + chegar cedo para ter onde parar + descer uma ribanceira que mal tem trilha marcada= os locais também estavam certos.

Eu não aguentei a caminhada e desisti nos primeiros 10 metros. Mas o lugar é lindo e se estiver passando por lá, vale a visita:

Roteiro para ilha de Creta na Grecia (10)
Roteiro para ilha de Creta na Grécia: Seitan Limania
Roteiro para ilha de Creta na Grecia (10)
Roteiro para ilha de Creta na Grécia: Seitan Limania.

Bom, bora para a estrada de novo:)

Roteiro para ilha de Creta na Grecia (13)
Roteiro para ilha de Creta na Grécia

A saber: a apenas alguns quilômetros de Akrotiri já se encontra a cidade de Chaniá, e a arquitetura do local é um charme.  E é ali que você encontra muitas tavernas gregas, alguns museus, lojas de souvernirs e moda e artigos de couro tradicionais de Creta. Um programa imperdível é uma caminhada pelo porto veneziano de Chaniá no entardecer.

O pôr do sol é um espetáculo à parte.

roteiro para Creta Grecia (24)
Roteiro para Creta: Chaniá
roteiro para Creta Grecia (24)
Roteiro para Creta: Chaniá
roteiro para Creta Grecia (24)
Roteiro para Creta: Chaniá

E como já falamos neste post, tem muita coisa legal sobre Chaniá, em Creta aqui.

Partindo de Chaniá, decidimos conhecer uma região não muito famosa e não muito comentada pelos brasileiros que viajam: a praia de Frangokastello, na região de Sfakiá, no sul de Creta.

Eu sou sempre aberta nos posts então tenho que dizer que fui lá pensando uma coisa e saí de lá com um nó na cabeça (#whaaaat?). Não é que foi um decepção, foi uma surpresa maluca.

Pois é, coloquei Frangokastello no meu roteiro porque queria visitar o famoso castelo veneziano, construído a beira do maravilhoso mar da Líbia. E check, o castelo estava lá, mas era bem pequeno e meio esquisito. E o mar da Líbia também estava lá, mas esta praia na frente do castelo não chega nem aos pés das outras praias de Creta. E o almoço que fizemos em uma taverna local foi tão estranho que achei que o garçom idoso era um fantasma.

Roteiro para ilha de Creta na Grecia (13)
Roteiro para ilha de Creta na Grécia: Frangokastello
Roteiro para ilha de Creta na Grecia (13)
Roteiro para ilha de Creta na Grécia: Frangokastello

No entanto, eu amei o passeio até Frangokastello. Me explico. A estrada que liga Chaniá até a região de Sfakiá é uma bela estrada, pois ela atravessa vários trechos do desfiladeiro de Samaria, um dos maiores da Europa. Outra coisa impressionante foi observar que cada uma das placas nesta estrada estava cheia de furos causados por armas de fogo. TODAS.

No começo, achei isso meio assustador mas depois li sobre o assunto, e entendi que aquela região de Creta é uma das que mais sofreu com as invasões. A marca da violência atrelada à necessidade de sobrevivência dos cretenses ali é bem evidente. Muitas vilas foram desabitadas devida à invasões, brigas de território que rolavam até há pouco tempo. Fala-se de um povo nômade que vive dentro do desfiladeiro, fala-se deles com respeito e medo.

A importância do castelo nunca foi de fato seu tamanho ou beleza. O castelo é um símbolo da resistência, ocupado, destruído e reconstruído ao longo dos anos. Assim como a alma do cretense, o castelo é despretensioso mas secretamente invencível. Quando eu entendi o contexto, eu amei aquele lugar.

Ah, sobre os fantasmas. Testemunhas afirmaram e viajantes malucos vão (anualmente) conferir a procissão dos fantasmas que rola na frente do castelo. Frangokastello é isso: tiros, histórias e muitos mistérios – então tive certeza: o garçom era um fantasma!

Roteiro para ilha de Creta na Grecia (13)
Roteiro para ilha de Creta na Grécia: Frangokastello

Depois que passamos por Akrotiri, Chaniá e Sfakiá seguimos para um dos cartões postais mais impressionantes de Creta: A PRAIA DE BALOS.

Este lugar é impressionante. Todas as fotos do post são SEM FILTRO NENHUM.

Roteiro para ilha de Creta na Grecia (17)
Roteiro para ilha de Creta na Grécia: Praia de Balos

Quando eu lembro do dia que visitei a praia de Balos, em Creta… vem todo tipo de sentimento à tona. O calor era intenso (era final de Agosto, mês mais quente do ano), a caminhada era longa, mas a cor da água em contraste com o solo era tão hipnotizante que foi impossível resistir. Descemos pela trilha. Lá de baixo, bem no meio da praia de Balos, a gente vê o mundo assim:

Roteiro para ilha de Creta na Grecia (22)
Roteiro para ilha de Creta na Grécia: Praia de Balos

E assim:

Roteiro para ilha de Creta na Grecia (20)
Roteiro para ilha de Creta na Grécia: Praia de Balos
Roteiro para ilha de Creta na Grecia (20)
Roteiro para ilha de Creta na Grécia: Praia de Balos

E também assim, olhando para o outro lado:

Roteiro para ilha de Creta na Grecia (20)
Roteiro para ilha de Creta na Grécia: Praia de Balos

E ainda um outro ângulo:

Roteiro para ilha de Creta na Grecia (20)
Roteiro para ilha de Creta na Grécia: Praia de Balos

Em uma parte da “lagoa” de Balos, as águas são mornas. Em outra parte, dá para sentir uma corrente mais fria. Em todos os cantos, a praia de Balos é maravilhosa. Eu queria ver o entardecer ali e ainda dormir embaixo daquele céu.

Mas não foi desta vez que vi o céu negro com as estrelas da praia de Balos. E aí eu tive que voltar, assim que o sol ameaçou ficar mais manso 🙁 a caminha da subida foi muito intensa para mim e para muitos outros que tiveram que parar, deitar e ser abanados (hoje eu dou risada, mas no dia quase fiz c***** na calça de tanto sufoco!). Então, se for a Balos, lembre-se de levar muita água para a subida e também coisinhas doces e salgadas (o que melhor funcionar para você) no caso da pressão cair….queria que alguém me desse esta dica (óbvia) antes!

No final, deu tudo certo, e assisti ao pôr do sol da praia de Falasarna – outro super ponto que eu gostaria de voltar e explorar mais (nem tirei foto depois do sufoco kkkkkk).

Então fica a promessa de mais um post sobre Creta para o futuro! Com certeza, ano que vem voltarei lá!

Espero que vocês tenham curtido sobre minhas impressões e dicas de roteiro para Creta, na Grécia! 🙂 Te encontro pelo mundo! Beijos!]

Casamentos em Santorini 2017!

Queridos leitores,

Neste momento estou na ilha de Santorini, meu lugar favorito no mundo para mais uma temporada de Casamentos em Santorini!

Eu e a equipe do Casamento em Santorini organizamos para este ano casamentos lindos recheados de amor. Muitas noivas lindas, muitos passeios legais e claro, imagens de cair o queixo!

Casamento em Santorini
La Maltese Imerovigli – Casamento em Santorini
Casamento em Santorini
Casamento Camila e Andrey – La Maltese Imerovigli – Casamento em Santorini
Casamento em Santorini
La Maltese Imerovigli – Casamento em Santorini
Andromeda – Casamento em Santorini
casamento_em_santorini (27)
Paula – Santa Irene – Casamento em Santorini
casamento_em_santorini (6)
Beach Party – Theros Wave Bar – Casamento em Santorini
Casamento em Santorini
Makinf off Casamento Beth&Giorgio – Casamento em Santorini
Casamento em Santorini
Entrada do noivo – Casamento Beth&Giorgio – Igreja Anastasis – Casamento em Santorini
Casamento em Santorini
Beth…seu pai e seu irmão – Igreja Anastasis – Casamento em Santorini
Casamento em Santorini
Beth&Giorgio – Igreja Anastasis – Casamento em Santorini

Acompanhe sempre pelo insta @luana_sarantopoulos, pelo face /lulunopaisdasmaravilhas e se tiver mais interessada em casamentos nessa ilha maravilhosa, dê uma olhadinha no @casamentoemsantorini  e face /casamentoemsantorini

Esses dias serão super corridos, mas iremos postar com calma o melhor conteúdo para vocês!

Por enquanto, acompanhem por lá!!!

Beijos!!!!!

Roteiro pela Itália: Costa Amalfitana, Capri, Pompéia, Vesúvio e Nápoles!

Hoje vou falar um pouco sobre a nossa experiência pela Costa Amalfitana, ilha de Capri, Pompéia, Vesúvio e Nápoles!

(agrupei todas as informações da minha viagem pela região + as novidades dos meus irmãos que acabaram de voltar de lá!)

Capri Roteiro pela tália

Visitar a Itália não é muito fácil para quem possui poucos dias disponíveis, porque tem tanta cidadezinha charmosa, lugares imperdíveis e paisagens à beira mar que fica difícil decidir! Mas o melhor de viajar pela Itália é que cada local tem algo de especial, as pessoas são amigáveis com os turistas (claro que há exceções) e a comida é sempre boa!

Escolher a hospedagem na Itália depende muito da intenção da viagem. Se quer praticidade, a melhor escolha é se hospedar perto dos centrinhos. Se quer um lugar mais tranquilo para relaxar, escolha localizações mais distante da movimentação, como praias e penhascos. Pode saber que a vista com certeza será fantástica!

Sorrento, na Costa Amalfitana

Para conhecer melhor a Costa Amalfitana, nós ficamos em um super hotel em Sorrento, com uma vista maravilhosa e meus irmãos experimentaram ficar em Massa Lumbrense, que fica a mais ou menos 10 minutos de carro de Sorrento. A casa deles tinha uma vista bem linda para Capri e Vesúvio e todos os dias o pôr do sol era um show a parte 🙂 A região toda é muito bonita.

Vale a pena conhecer Sorrento, sem pressa e sem enormes expectativas. Passeamos pela avenida principal (Corso Italia), pela praça principal (Piazza Tasso), pela Via San Cesario (paralela ao Corso Italia) que é cheia com lojinhas de comércio. É um lugar para relaxar, comer bem e curtir as vistas.

Sorrento
Sorrento

Uma das coisas mais legais que fizemos na Costa Amalfitana foi percorrer o máximo da costa de carro, sem nenhuma pressa e nenhum destino obrigatório. Paramos em alguns mirantes, em um café e um restaurante delicioso ao longo do percurso entre Salerno e Sorrento 😉  Vale lembrar que um dos locais mais famosos aqui é Positano, e o seu charme pode ser visto em vários filmes 🙂 De longe, você já avista a cidadezinha pendurada na encosta. Na charmosa cidade de Positano, andamos pelas ruazinhas cheias de lojas até chegar na praia, onde relaxamos um pouco. No verão, Positano é bem cheio e relativamente mais caro que as outras cidadezinhas da Costa Amalfitana.

Roteiro pela Itália Positano

Ah, e por favor: entendam que “praia” na Itália pode ser totalmente diferente das praias do Brasil, ok?

Imperdível: ilha de Capri!

Outro destino super legal na Itália é a ilha Capri! Foi um dos meus locais favoritos na região, sem dúvidas.  Para chegar lá pegamos um ferry no porto de Sorrento que nos deixou na Marina Grande, em Capri. É bom lembrar que você não pode usar carro particular na ilha, então todo mundo anda em um táxi gigante ou de motoca ou bus. Nós ficamos hospedados em Anacapri, e usamos os táxis e os mini ônibus para conhecer a ilha inteira.

Também fizemos um passeio particular de barco que indico para todo mundo que me pergunta de Capri!  Nada mais perfeito para conhecer o entorno da ilha do que um capitão-vovô italiano nativo e umas garrafas de espumante. Assim, conhecemos os pontos turísticos bem de pertinho e ainda nadamos naquele mar maravilhoso, cristalino e frio! Neste passeio, visitamos várias grutas, uma mais linda que a outra, e o famoso Faraglioni. O passeio dura mais ou menos duas horas e custou 120 euros.

sea-96583_960_720
Costa Amalfitana – Faraglioni

Ahhh e não deixe de experimentar o famoso Limoncello (licor a base de limão) . E o suco de limão siciliano!

Costa Amalfitana – Limoncello

Um algo mais: Vesúvio 

Para quem quer chegar no Vesúvio, a dica é deixar o carro no estacionamento e já fazer todo o percurso a pé (há também a opção de pegar uma van que te deixa na entrada, mas para chegar ao topo voce tem que caminhar um bocado). É uma experiência única chegar na boca do vulcão e lá de cima voce tem uma vista incrível de toda a cidade de Nápoles.

Must go: Pompéia

Para ir para Pompéia, fomos sugeridos a ir de trem de Sorrento, mas eu não recomendo de jeito nenhum. O trem estava tão lotado que desci na primeira estação e voltei para o hotel e fui de carro. Achamos estacionamento próximo da entrada e passamos o dia conhecendo a antiga cidade que foi destruída em uma grande erupção do Vesúvio. Assim como Akrotiri, na ilha grega de Santorini, é um sítio arqueológico impressionante para quem se interessa.

Contrate um guia ou compre o audio-guia para poder aproveitar melhor o passeio.

Roteiro pela Itália Pompéia

Para quem tem disposição: Nápoles!

Meus irmãos aproveitaram para conhecer Nápoles e aí vai o relato deles:

Dica número 1: saia cedo pois o trânsito no caminho é intenso. Em Nápoles, encontramos com amigos que nos levaram em vários lugares 🙂 nada como um napolitano para nos guiar nessa cidade que é interessante porém menos organizada que outras no norte da Itália.

Aqui vai uma listinha com nossas sugestões sobre o que fazer em Nápoles:

– Visitar o Castel dell’Ovo: diz a lenda que ali tem um ovo escondido e no dia que ele quebrar será o fim de Nápoles;

– Passear pela Piazza del Plebiscito, onde os condenados a morte tinham a chance de escapar de sua sentença se conseguissem atravessar a praça vendados e passar por entre as estátuas que ficam na frente da igreja San Francesco di Paola;

– Tomar um café na cafeteria Gran Caffe Gambrinus, famosa pelo seu delicioso café e por seus doces irresistíveis. Ah! E o mais legal é que lá existe o café solidário, você paga um café e alguém que não tem condições de pagar chega a qualquer hora e aproveita a gentileza 🙂

– Visitar o Teatro di San Carlo, o mais antigo da europa: é maravilhoso!

– Passear pela via Toledo ate chegar na Spaccanapoli, essa última que corta Nápoles de leste a oeste possui vários pontos turísticos como esculturas, obeliscos, igrejas e museus.

– Experimentar de tudo um pouco da culinária napolitana

Se prepare para as delícias: sfoglatella, baba ao rum, canolli, frito no cono e a famosa pizza napolitana e volte rolando para o Brasil 🙂

Napoles Roteiro pela Itália

Espero que essas dicas ajudem vocês na próxima viagem pela Costa Amalfitana, Ilha de Capri, Pompéia, Vesúvio e Nápoles! Neste post juntei fotos minhas com dos meus irmãos! Ainda estamos em família no nosso tour pela Itália 🙂 Acompanhe!

Instagram: @luana_sarantpopoulos Facebook: lulunopaisdasmaravilhas

Mil Beijos!!!Roteiro pela Itália

 

 

Surpresas pela Itália: Costa da Toscana e Ligúria

Olá viajantes!!!

Para quem está me acompanhando nas redes sociais sabe que eu estou em uma viagem incrível pela Itália com a minha família! Hoje vou destacar mais especificadamente a costa da Toscana e a Ligúria!!

Esses últimos dias estamos explorando a costa da Toscana e a Ligúria, um paraíso escondido na Itália, e eu gostaria de dar algumas dicas bem legais para vocês de dois lugares pouco conhecidos pelos estrangeiros!

Primeiro vou dar destaque a um lugar super badalado na costa da Toscana que fica a uma hora de Firenze e a menos de 15 minutos de Pisa, Lucca, Viareggio…. Estou falando de Forte Dei Marmi, super badalado entre os Italianos! A praia é gigantesca, com muita estrutura de atendimento e com algumas regiões totalmente particular, são raros os cantinhos que não estão cercados. Você pode alugar sua “parte da praia” por dia, por mês e até por temporada 😉 Os valores variam, mas é um local conhecido por ser caro! Para quem curte, é sofisticado e tem as melhores lojas top do mundo! Eu achei uma delícia de lugar!

Vale muito a pena conhecer e trazer a família toda no verão! Fica a dica! Abaixo um pouquinho para vocês entenderem o que estou falando:

Forte Dei Marmi
Forte Dei Marmi – Costa da Toscana
Forte Dei Marmi - Costa da Toscana
Forte Dei Marmi – Costa da Toscana
Forte Dei Marmi - Costa da Toscana
Forte Dei Marmi – Costa da Toscana
Forte Dei Marmi - Costa da Toscana
Forte Dei Marmi – Costa da Toscana
Forte Dei Marmi - Costa da Toscana
Forte Dei Marmi – Costa da Toscana

Vou  falar também de um lugar que resolvemos parar quando estávamos a caminho de La Spezia: LERICI!

Foi uma deliciosa surpresa entrando na região da Ligúria para nós! Lerici é uma surpreendente bela cidade litorânea próximo das famosas Cinque Terre, na Riviera Italiana. É um amontoado de prédios pastéis que disputam atenção com suas praias.

Na itália realmente fica difícil dizer o que é mais lindo, todos os lugares possuem suas próprias características  que são singulares e apaixonantes, mas mesmo assim Lerici foi única! Ela fica no Golfo dos Poetas, um lugar tão mágico que dá vontade de ficar parado ali para ler um livro (ou escrever um!rs). Já tinha feito a viagem completa pelas Cinque Tenre anteriormente, mas achei Lerici bem mais charmoso e tranquilo. Com o bônus de não estar lotado de turistas desesperados pelas ruas.

O local possui alguns hotéis legais que colocam cadeiras em decks de madeira que dão direto no mar verde turquesa! Fiquei super a fim de voltar com bastante tempo para passar alguns dias relaxado ali. Mas como nós estávamos em família e com o horário limitado, aproveitamos para comer melão com prosciutto e tomamos um pró seco regional delícia! Foi uma tarde de relax total e com muita classe por sinal! Amei!

Lerici - Costa da Toscana
Lerici – Itália
Lerici - Costa da Toscana
Lerici – Itália
Lerici - Costa da Toscana
Lerici – Itália
Lerici - Costa da Toscana
Lerici – Itália
Lerici - Costa da Toscana
Lerici – Itália

Um grande beijo e continue me acompanhando que ainda tem muito por vim!

Instagram: @luana_sarantopoulos  e  Facebook: lulunopaisdasmaravilhas

 

 

Karpathos: o paraíso grego fora da rota tradicional

Hoje é dia de post sobre a fascinante e paradísiaca ilha grega de Karpathos!

Karpathos….ah? Oi? Que ilha grega que é essa? E onde que ela fica, Lulu?

Veja as dicas completas neste post aqui!

 Karpathos é o paraíso grego fora da rota tradicional das ilhas gregas famosas!

E apesar de amarmos o combo Mykonos e Santorini, também amamos conhecer ilhas novas com estrutura boa, turismo para todo tipo de viajante, atmosfera relaxante e ainda visual de tirar o fôlego.

dicas-de-karpathos-grecia

Férias é pra relaxar, né gente? E nada melhor do que dar “um pulo” até as ilhas gregas para aproveitar dias de sol no mar mediterrâneo. Mas às vezes as ilhas gregas mais famosas ficam muito muito mas muuuuuito cheias na alta temporada – ou seja – é fila para todo lado, engarrafamento e por aí vai (imagina Búzios no reveillon…só que mais cheio).

Então, pedi para um grande amigo nativo da ilha de Karpathos (esse paraíso escondido nas ilhas gregas do Dodecaneso) para dar algumas dicas para os viajantes que querem conhecer a ilha grega de Karpathos! Bora lá?

O texto abaixo é de Antonis Karanikolas e as fotos abaixo são do Instagram dele! Inspiração e carisma total!! Aproveite para dar uma espiada e começar a seguir o perfil dele, só foto bacana! 😉

Uma das primeiras coisas que alguém tem que decidir, depois de selecionar o destino para passar suas férias, é a época do ano, estação ou mês que pretende viajar. Se o tempo vai ser quente, frio, se o local será lotado ou não, se será mais econômico para ficar sobre esse período e muitos outros parâmetros são importantes na hora de planejar.

Karpathos ilhas gregas (2)

Uma vez que alguém escolhe Karpathos, você vai começar a ler em vários sites muitos comentários e sugestões, pois a ilha é um ótimo destino durante todo o verão.

 Karpathos é perfeito de meados de abril a meados de outubro!

P.S: o verão na Europa, especialmente no Mediterrâneo, dura de meados de abril a meados de outubro. E  é claro que, como nas ilhas gregas mais famosas, Karpathos também fica  cheio em julho e agosto, mas isso não significa que os serviços ficam muito mais caros.

Karpathos ilhas gregas (3)

 Karpathos é uma das maiores ilhas gregas, ou seja, os turistas ficam espalhados e a ilha não fica tão lotada!

O ponto positivo é que, devido ao grande tamanho da ilha (9 º maior na Grécia),  mesmo nos meses da alta temporada (e milhares de turistas), Karpathos não parece tão lotado, pois os turistas estão espalhados em toda a ilha. A maioria dos viajantes ficam na capital da ilha, também chamada de Karpathos (embora os habitantes locais chamem Pigadia), mas há outros lugares, como Ammoopi, Arkasa, Lefkos, aldeia de Olympos e vila de Diafani, também são lugares onde os turistas ficam durante suas férias.

Assim como existem segredos para cada lugar, há alguns segredos para Karpathos também. Se você perguntar a maioria dos moradores locais qual é o melhor momento para alguém visitar a ilha, você provavelmente não vai ouvir o que você espera (julho e agosto).

Karpathos ilhas gregas (3)

Então leia os segredos de Karpathos para descobrir qual a melhor época para visitar a ilha!

Eu prefiro Karpathos em Junho e Setembro e existem várias razões para minha opinião. Vamos enumerá-las:

  1. Os profissionais e empresários (proprietários de restaurantes, bares etc) dirão que podem oferecer melhores serviços nos meses fora da chamada ” alta temporada ”, como junho e setembro, porque o turismo durante esses meses não são tão intensos . Então, eles têm mais tempo para atendê-lo melhor e não são esgotados pela fadiga (só para esclarecer, a “alta temporada” é Julho e Agosto)
  2. Como mencionado anteriormente, um parâmetro muito importante para escolher o tempo que você vai fazer uma viagem é o clima. Karpathos é o quarto lugar da Grécia com a maior média anual de ventos com maior intensidade. De fato, muitas vezes as corridas de windsurf ocorrem aqui devido a ventos fortes e pelas longas praias disponíveis. Os nativos vão dizer (e não há nenhuma resposta garantida sobre o vento) que os melhores meses para visitar é junho e setembro, talvez setembro está ganhando com alguns votos a mais.
  3. A ilha é conhecida por suas tradições puras. Não se esqueça que, mesmo hoje em dia, há Olympos, uma aldeia muito tradicional, onde as mulheres vestem até hoje seus trajes tradicionais. Então, se você tiver sorte o suficiente para estar em um festival em junho ou setembro, ele será todo seu! A verdade é que o maior festival da ilha acontece em 15 de agosto e comemorado em algumas aldeias (como em Olympos também), mas você não pode desfrutar muito por causa da multidão. Karpathos ilhas gregas
  4. Você nunca terá que esperar em filas. Sim, no verão na Grécia você vai ter que esperar na fila no caixa eletrônico, no banco, talvez em um restaurante para comer … Não se preocupe com isso, é por isso que estamos aqui para, para ajudá-lo. Durante junho ou setembro, você provavelmente não terá que esperar em filas.
  5. Nos últimos anos, muitos de nós estão lidando com a fotografia. Amadores, com sua câmera, ou o smartphone, nós nos tornamos uma espécie de fotógrafos. Mais uma vez, não tenho certeza de que em julho e agosto você será capaz de tomar o que quiser, como você quer … As praias estão lotadas, as ruas estreitas ou caminhos nas aldeias terá sempre outras pessoas também e onde você parar. Para apreciar a vista, você estará provavelmente com alguma outra pessoa …
  6. As praias! As praias da ilha e a aldeia Olympos, são os locais mais atraentes e importantes. Embora Karpathos tenha mais de 80 praias acessíveis, com tristeza temos de informá-lo que em julho e agosto, você não vai encontrar mesmo um que não tem sequer alguns turistas. Muitas vezes, eles são despertar das 07 para alugar uma espreguiçadeira na praia. Isto significa que você não será capaz de conseguir uma cadeira, mas vai ter que se sentar na areia. Isso é permitido na Grécia, mas às vezes é um pouco cansativo. Portanto, se você imaginar que uma praia será sua (ok, quase sua), se você quiser as manhãs durante as suas férias para acordar um pouco mais tarde, então você deve pensar novamente se a vir para a ilha em julho ou agosto. Karpathos ilhas gregas (1)
  7. Outra questão importante é a disponibilidade. Quer se trate de alojamento (hotéis, quartos, etc) ou carros para alugar (nem sequer falar sobre valores, mas apenas para a disponibilidade) na altíssima temporada é mais complicado. Como escrevemos acima, a ilha é grande o suficiente para alugar um carro (se você é turista independente)e provavelmente em junho ou setembro você vai encontrar mais opções para alugar alojamento, para aluguer de automóveis. Já em julho e agosto você realmente não pode encontrar de tudo, e também será difícil com qualquer coisa que precise de reserva antecipada.
  1. Finalmente, a questão financeira é sempre um fator importante para determinar a duração final do nosso feriado. Na medida em que a altíssima temporada para visitar a ilha é julho e agosto, isso significa que os hotéis vão custar cerca de 20% mais barato em outras épocas. A verdade é que nos últimos anos, mais e mais visitantes sabem sobre os aspectos positivos de setembro, especialmente os turistas que vêm várias vezes e visitaram Karpathos no passado. Assim, os preços em setembro vem subindo, mas você ainda obtém todos outros benefícios!

Então imagine que você está em uma ilha com dezenas de praias que você pode mergulhar nas águas cristalinas azuis e é quase interiamente sua (junho – setembro). Onde a água é completamente tranquilo, absolutamente sem vento (setembro) e, em seguida, vá confortavelmente comer sua refeição tradicional grega na taverna mais próxima. As cores no céu serão mais doces eo pôr do sol mágico (setembro). Você pode encontrar moradores locais e tirar fotos das senhoras de idade em trajes tradicionais (junho – setembro).

Se você gostou dos comentários, pense bem! Talvez os meses mais adequados para você são junho e setembro!

Karpathos ilhas gregas (3)

Gostaram do post?? Eu amei as dicas que o Antonis compartilhou com a gente!! Bora para Karpathos??

15 filmes para mulheres que gostam de viajar!

Queridas leitoras!

Para começar bem a semana, separei uma lista com 15 filmes para mulheres que gostam de viajar!! Eu fiz uma coletânea bem diversificada, e confesso que alguns deles não têm o melhor enredo do mundo (kkk será?), outros são para as meninas jovens e molecas (que vivem dentro de nós!), alguns são ideiais para as super românticas e outros são perfeitos para as seguidores do poder feminino (!) – mas enfim, achei que valia a pena citar por causa das passagens em locais belíssimos!

Então, divirta-se! Estes filmes são perfeitos para a gente descobrir lugares novos e sentir embalada pelo doce romance daquelas histórias que nossos imãos, namorados e maridos não suportam kkkkkkkk Have fun!

Eu sou uma mulher viajante e sempre gosto de dar uma espiada nesses “clássicos filminhos de mulher” 😉 Piadas a parte, aqui temos de tudo: Grécia, Itália, França, Irlanda, Escócia, Índia, Bali, Emirados Árabes, Estados Unidos  e por aí vai…..vale a pena ver os trailers para escolher seus favoritos! Mil beijos!

1)Comer, Rezar e Amar

2)Cartas para Julieta

3)Sob o sol da Toscana

4)Sob o mesmo céu

5) Um bom ano

6)O melhor amigo da noiva

7) Minha vida em ruinas

8) Meia-noite em Paris

9)Para Roma, com amor

10)Magia ao luar

11) 4 amigas e um jeans viajante

12)Monte Carlo

13)A proposta

14)Casa comigo?

15)Sex and the city 2: 

10 passeios imperdíveis para fazer na Patagônia!

Queridos amigos!

Este ano tem sido uma jornada e tanto para mim 🙂 Muitas viagens e muito trabalho (amém!), e pouco tempo em terra firme para colocar a vida em dia. Acabo de voltar de viagem da Argentina e tenho dicas de passeios imperdíveis para fazer na Patagônia. Não importa se você é do tipo que curte  disposição e aventura ou se você é do tipo vi-tirei foto-comi bem-tô feliz 🙂 Existem várias opções de passeios na Patagônia para todos os tipos de viajantes!

o-que-fazer-na-Patagonia-(19)

O que você precisa saber sobre a Patagônia

Abaixo farei a lista dos 10 passeios mais legais que a gente fez em 12 dias de viagem pela Patagônia Argentina (então se você quer ir direto ao  ponto, vá direto para a lista embaixo do título “10 passeios……”). Mas antes de mais nada quero dizer que a gente viaja bastante, durante o ano, para vários lugares diferentes, mas que procuramos a Patagônia porque queríamos unir natureza com conforto.

No ano passado, conhecemos a Islândia e foi uma das viagens mais lindas da minha vida (para ver a série de posts acesse aqui), então a gente queria ir para outro destino inóspito e gelado, no estilo “pouca gente e muita natureza”. Como a gente mora com mais umas 20 milhões de pessoas em São Paulo, curtimos férias em lugares vazios 😉 E a Patagônia foi o destino ideial, porque além de uma ou outra “cidadezinha base”, só se vê a natureza exuberante (às vezes deserto, às vezes gelo e às vezes bosque) ocupando cada metro dessa região do mundo.

o-que-fazer-na-Patagonia-(67)

Importante: a tentação de querer conhecer vários locais (fazer a Patagônia Argentina e a Chilena, fazer a Patagônia Atlântica e a Andina, alugar um carro ou uma moto ou uma bike por um mês e conhecer cada cantinho da Patagônia) É ENORME. Mas na prática, se você tem poucos dias (a gente tinha doze dias) não ouse fazer tanta coisa, pois as distâncias são enormes e o clima é muito instável, ou seja, planos vão por água abaixo a todo instante. É bom ter pelo menos três dias em cada lugar para poder aproveitar os passeios mais interessantes da região.

Mais importante ainda: fomos no verão, em fevereiro, e mesmo assim é frio pacas. Mesmo quando as temperaturas sobem, tipo 10 graus, o vento gelado faz a sensação térmica cair para zero ou menos ainda. Leve muita roupa de frio, casacos impermáveis e botas de caminhada,

Como escolher onde ficar na Patagônia?

Nós queríamos, basicamente, fazer alguns passeios diferentes mas sem perder horas em vôos ou estradas. Então escolhemos dois pontos principais e fizemos a nossa programação ao redor deles. As cidades escolhidas foram: Ushuaia e El Calafate.

Ushuaia – a cidade que fica mais ao sul do mundo (Fin del Mundo)

É do Ushuaia que saem todos os navios, cruzeiros e expedições rumo à Antártida! Nós nos empolgamos demais com a ideia e tentamos pegar um “last minute deal”, já que é oferecida alguma promoção para estes cruzeiros em cada esquina de Ushuaia. Só que os preços começam a partir de 6 mil dolários por pessoas (ai!) e o cruzeiro de menor duração dura 10 dias… Ficou para a próxima!

passeios-para-fazer-na-patagonia

Ushaia é uma cidadezinha bem simpática, simples e relaxada, onde se vêem mochileiros e viajantes por todos os lados. A rua principal é a San Martín, onde ficam os restaurantes, lojas, bancos e tudo mais que você pode precisar. Não se iluda achando que vai comprar roupa de frio barata lá, é tudo “meio/muito caro”, afinal Ushuaia é longe pra burro de tudo que é lugar (quatro horas de vôo de Buenos Aires, hello) e depois dali, é só o pólo sul (adoro essa ideia! kkk). As únicas coisas mais em conta são comida e bebida, eba, muito vinho bom em ótimos preços!

Ficamos seis dias em Ushuaia, nos hospedamos no Las Hayas Resort, alugamos um carro e amamos tudo por lá! Se quiser saber mais sobre Ushuaia, veja o meu vídeo com dicas no Youtube)

Como já mencionei, chegamos em Ushuaia por um vôo que veio de Buenos Aires (quatro horas de viagem). Depois, fomos de avião de Ushuaia para El Calafate (foi pouco mais de uma hora de viagem).

El Calafate – a cidade que fica próxima ao Glacial Perito Moreno

A cidade de El Calafate também tem uma rua principal chamada San Martín, com lojinhas, bancos e restaurantes. A primeira vista, ela parece mais bem cuidada e “mais rica” do que Ushuaia, e quando vi os preços dos passeios tudo fez sentido para mim! Preços salgadinhos para os passeios, para as entradas nos parques e por aí vai…mas ó, beleza igual aquele canto do mundo eu nunca vi, então a gente gasta com gosto 😉 kkkk

o-que-fazer-na-Patagonia-(78)

Ficamos quatro dias em El Calafate e nos hospedamos fora da cidadezinha em um super hotel na frente do Lago Argentino (Design Suites Calafate, tinha uma spa também 🙂 ). Como a gente queria sossego (e o táxi não era caro), a distância não foi um problema. Além do mais, a maioria dos passeios já têm incluído transfers de ida e volta, assim eles buscam e entregam os turistas nos respectivos hotéis.

El Calafate é a cidade base para conhecer o Glacial Perito Moreno, mas se liga que o Glacial está dentro do Parque Los Glaciares (que tem uma série de passeios massas) que está a uma distância considerável da cidade, assim todos os passeios duram o dia inteiro (só para ir e voltar é uma hora e meia ou mais, cada trecho). Mas o visual é maravilhoso então nem dá para sentir a distância – só não dá para programar fazer vários passeios no mesmo dia sem ficar exxxxxausto.

Em El Calafate não alugamos carro, contratamos os passeios com transfers porque em muitos locais o acesso para carros era limitado. Então agora que você já entendeu a base para os passeios, finalmente, vou falar dos….

10 passeios imperdíveis para fazer na Patagônia!

1) Parque Nacional Tierra del Fuego

Cidade Base: Ushuaia

Comentários: Nós visitamos este parque por dois dias, porque tinha bastante coisa legal para ver e fazer: várias caminhadas curtas e relativamente fáceis,  o trem do Fin del Mundo, os locais para acampar, as lagoas verde e negra, cenários bem característicos da Patagonia, o correio do Fin del Mundo (e o carimbo para seu passaporte), a placa do  final da Rota 3 e uma empanada de carne que eu adorei.

Uma boa ideia é visitar de carro porque dá para passar o dia descobrindo as belezas do local. Quem estiver animado pode fazer uma das rotas a pé (a mais fácil é em torno de 2 horas e meia caminhando) e é super tranquilo porque o Parque tem excelente sinalização.

Lá é muito lindo e mega relax!

passeios-para-fazer-na-patagonia1

o-que-fazer-na-Patagonia-(22)

o-que-fazer-na-Patagonia-(10)

o-que-fazer-na-Patagonia-(24)

2) Passeio de veleiro pelo canal de Beagle (isso, pinguins!!!!!)

Cidade Base: Ushuaia

Comentários: para mim, “andar” de barco já é a atração em si. Mas este passeio no veleiro Paludine foi uma aventura a parte! Por causa do vento frio, a gente usou aquelas roupas amarelas de marinheiro por cima da nossa roupa e o staff super legal do veleiro sempre trazia chocolate quente, chá ou café. O vento, quando batia com vontade, empolgava a gente no veleiro, mas tem que gostar de velejar para se divertir, né?! Para quem quer algo mais tranquilo, existem passeios em barco maiores, para até 300 pessoas.

Ponto alto: os pinguins e os lobos marinhos!

Esse passeio, seja de veleiro ou outros barcos, é um dos mais legais da viagem! Imperdível!

o-que-fazer-na-Patagonia-(89)

o-que-fazer-na-Patagonia-(97)

passeios-para-fazer-na-patagonia 2

3) Caminhada até a Lagoa Esmeralda

Cidade Base: Ushuaia

Comentários: Não, não é parecido com algo que você já viu na vida. A “Laguna Esmeralda”, com certeza, entrou para a minha lista de top 5 lugares mais lindos que já vi. A caminhada é de quase 9 quilômetros ao todo  (contando ida + volta) e nós pegamos muita mas muuuita lama no caminho. Ainda assim, fomos um dos primeiros a chegar no local e a paz que eu senti quando vi esta lagoa é uma das coisas que nunca vou esquecer. A caminhada é de dificuldade média (eu achei média-difícil 😉 )

Dica: vá de manhã cedo, comece a caminhada em torno das 8 da manhã e leve um snack para a hora do descanso.

o-que-fazer-na-Patagonia-(28)

o-que-fazer-na-Patagonia-(31)

o-que-fazer-na-Patagonia-(36)

4) Caminhada para o Glacial Martial

Cidade Base: Ushuaia

Comentários: A gente já estava hospedado em um hotel que era no caminho do Glacial Martial, então não podíamos perder a chance de dar uma espiada. Fomos de carro até o pé da montanha, onde tem um estacionamento, algumas lojas de souvernis e uma casa de chá 😉 e de lá começamos a subida a pé. A vista do Glacial é bem bonita e a vista do Ushuaia do alto é estonteante.

Na foto não parece, mas a subida é bem puxada. É bom ir no começo do dia e reservar umas três horas, no mínimo, para ida e volta.

o-que-fazer-na-Patagonia-(100)

5) Ir até o ponto mais alto de Ushuaia para ver o nascer do sol

Cidade Base: Ushuaia

Comentários: show da natureza!

o-que-fazer-na-Patagonia-(102)

6) Nativo tour + jantar na caverna

Cidade Base: El Calafate

Comentários: este passeio foi animal! Existem duas opções: fazer com almoço ou jantar, nós fizemos no final do dia e comemos o jantar na caverna 🙂 Basicamente, é um passeio de jeep para dentro de uma área que parece um deserto (mas que está do lado do Lago Argentino) até que encontramos as pinturas rupestres nas cavernas. O guia era muito empolgado e explicou tudo sobre as civilazações antigas da Patagônia enquanto caminhávamos e observávamos as pinturas originais. No final da caminhada, chegamos em uma caverna grande onde o delicioso jantar (ensopado de cordeiro +mousse de chocolate) foi servido de uma maneira “nativa”, saindo de um caldeirão 🙂 vinho liberado e atmosfera super animada!

o-que-fazer-na-Patagonia-(38)

o-que-fazer-na-Patagonia-(43)

7) Caminhar ou dirigir por uma parte da Costanera

Cidade Base: El Calafate

Comentários: a minha sugestão é basicamente andar ou dirgir em torno do Lado Argentino, na Costanera, e parar onde der vontade. Se estiver a pé, cuidado com o vento. Se estiver de carro, leve um vinho (#sópensanisso) e alguns snacks. O visual é lindo, é bem vazio e super relaxante.

o-que-fazer-na-Patagonia-(44)

8) Cruzeiro Gastrônomico pelos rios de gelo (Glacial Upsala e Spegazzini)

Cidade Base: El Calafate

Comentários: Um dos pontos altos da viagem  – já viram que eu amo barco, né?! Escolhemos o cruzeiro gastronômico porque eu e meu marido curtimos gastronomia, mas existe uma outra opção de passeios mais econômica (sem a parte grastronômica, é claro) que faz uma parte dos rios de gelo. Então, a gente escolheu a opção mais top e este foi o passeio mais caro da viagem, em um barco confortável, com um menu delicioso e vinhos excelentes. Amamos!

Mas é claro, né gente, que a parte mais impressionante do passeio é a natureza ao redor. Os não tão famosos Glaciais Upsala e Spegazzini (vocês sabem, neste Parque Los Glaciares, o Glacial Perito Moreno é o famosinho) são gigantes, bem maiores que o Perito e eles são muito show! Então uma boa parte da navegação é assustadoramente acompanhada com icebergs gigantes e muitas informações bacanas sobre a região. O passeio dura o dia todo e é fantástico 🙂 E eu sou super empolgada kkkk

o-que-fazer-na-Patagonia-(52)

o-que-fazer-na-Patagonia-(65)

o-que-fazer-na-Patagonia-(104)

9) Passeio pelas passarelas  para ver o famoso Perito Moreno

Cidade Base: El Calafate

Comentários: Esta é a versão light de passeio para ver o Glacial Perito Moreno, dentro do Parque Los Glaciares. Existem várias rotas nas plataformas de caminhada, de pequena e média dificuldade, algumas partes são acessíveis para cadeirantes, ou seja, todo mundo consegue dar uma espiadinha para ver essa belezura aí. A caminhada toda deve demorar em torno de 2 a 3 horas, é tudo muito bem sinalizado e existem restaurantes e cafés e ainda uma área de pic nic, próximas ao estacionamento.

o-que-fazer-na-Patagonia-(1)

o-que-fazer-na-Patagonia-(74)

10) Trekking no Glacial Perito Moreno

Cidade Base: El Calafate

Comentários: Se você ama gelo e quiser algo mais aventureiro, a minha sugestão é fazer o trekking no Glacial (tem a versão “mini treking”e a versão “Big Ice”, o que muda é quanto tempo você fica no Glacial). Nós fizemos o mini trekking, que já é mega intenso pois o passeio começa as 8 da manhã e termina as 7 da noite. Depois das caminhadas na plataforma do Perito, da travessia de barco para o “lado de lá” e algum tempo para colocar as botinhas de gelo, finalmente começa o trekking em cima do Glacial Perito Moreno. Eu pirei: teve frio, chuva, vento, sol, cansaço, alegria e uma bebidinha com gelo do glacial no final 😉 Foi demais!

Dica: se você tem algum preparo físico e não tem problema de joelho, dá pra aguentar. Os tours tem ainda restrição de idade e é você que tem que levar seu almoço (lunch box), mas os hotéis preparam uma marmitinha top!

Para mim, foi o melhor passeio da Patagônia! É muito impressaionante!

o-que-fazer-na-Patagonia-(88)

o-que-fazer-na-Patagonia-(88)

o que fazer na Patagonia (82)

Espero que vocês tenham curtido as dicas dos passeios imperdíveis da Patagônia! Tentei mesclar um pouco de tudo que achei especial nessa viagem fantástica até o sul do mundo! Qualquer dúvida ou contribuição, podem escrever 🙂 Até a próxima, leitores! Ah, e o videozinho com dicas do Ushuaia está aqui:   Beijos!!