bandeira grega santorini
Cultura Grega,  Giro pelo mundo,  Grécia,  Lulu no País das Maravilhas: Especial Grécia,  Santorini,  Viagem,  Viagens

No meio da Grécia, percebi: A crise existe mas os gregos continuam os mesmos!

Queridos leitores,

é com grande satisfação que escrevo este post pois estou trazendo ótimas notícias: mesmo com a crise, a Grécia continua a mesma!

É isso mesmo. Acabei de voltar de viagem de lá e digo com a maior alegria que os gregos continuam tomando cafés frappés gelados nas cafeterias, comendo banquetes dos deuses nas tavernas, curtindo pelo menos uma semaninha de férias em alguma ilha maravilhosa. Foi isso que eu observei nos meus últimos 20 dias por Atenas, Aigio, Santorini e Milos. Não é ótimo?

bandeira grega santorini

“Então o que mudou…? A Lulu está louca, eu vi na TV que a Grécia estava um caos!!”….Bem, pois é, todos nós vimos isso. E é claro que a crise afetou a renda de muitas famílias, diminuiu a chance dos jovens conseguirem um emprego coerente com sua formação no mercado de trabalho e atrapalhou bastante a vida de muitos idosos. Ainda assim, eles continuaram gregos e diga-se de passagem, continuaram a viver o momento presente. Se estressaram no primeiro e no segundo dia e depois concluíram: “Etsi einai i zoi!”( assim é a vida, em grego). PS: esta também foi nossa frase favorita em Santorini pois quando tudo parecia dar errado nós todas resmungávamos isso em pensamento – ou em voz alta!. Esta expressão tipicamente grega pode ser entendida como um mix de “ok, a vida continua”, “bola pra frente”, “aceite o que não pode mudar”, “dias melhores virão”, mas não é nada disso exatamente. Diria que é uma pontada de resignação e aceitação, um toque de otimismo mesmo que disfarçado de conformismo. Compliquei? “Larga pra lá” e “segue sua vida”! E não é isso que os gregos sabem fazer de melhor?! Você nunca viu o filme Zorba? Vá assistir e depois me conta 😉

Vou contar do que vi com meus olhinhos de grega-brasileira. Meus primos de Atenas estão ligeiramente mais desgastados com todo esse momento de ansiedade…vem aí mais um dia decisivo para os gregos. Eles estão com os nervos a flor da pele e reclamando da vida sempre que têm uma brechinha….(mas isso é novidade?! rsrsrrsrs). Tá e eu sei que sou bem assim também…..#prontofalei. Mas por outro lado, quando eu perguntei se queriam voltar para o Brasil, a resposta foi clara e tempestuosa: “NÃO, de jeito nenhum.” Porque, meus caros, talvez eles pensem como um dia meu avô paterno pensava, ele que também era imigrante só que advindo de terras italianas. Ele concluiu e calmamente repetiu muitas vezes ao longo da sua vida que “é melhor nascer cachorro na Europa do que gente no Brasil”.

Triste e pessimista, sim, sem dúvida. E peço desculpas se estou ofendendo alguém, mas é que eu não sou a pessoa mais patriota desse mundo 🙂 Brasilzão ta aí levantando um sol maravilhoso quase sempre e tem muita gente indo e voltando, assim como eu, todos os dias, todos os anos. Eu acredito que a escolha de onde você quer morar é totalmente pessoal e intransferível. Todo santo lugar tem problemas e a Grécia tem milhões deles, a saber: imigrantes ilegais, mercado de trabalho complicado, burocracia exagerada e todas as mil dificuldades das ilhas, modo de pensar grego rsrsrsrsrs e por aí vai! O negócio é vestir a camisa, tomar a decisão e seguir em frente. Não existe escolha fácil, você já deve ter percebido isso.

E quem escolhe ficar na Grécia, mesmo em fase de vacas magras, sabe que está abrindo mão de uma carreira, de um emprego que pague bem, de uma vida tranquila. Provavelmente, os donos dos muitos comércios que foram fechados estão recalculando as perdas, legitimamente melancólicos por tudo que está acontecendo. Os jovens estão decepcionados e sem visão nenhuma de futuro, os casais não tem grana para casar e nem para “juntar os trapinhos” e ir morar junto e esse lado da crise faz doer o coração. Só que quando estou frente a frente com meus amigos e familiares gregos eu não vejo essa tristeza escancarada no rosto, ela está apenas escondida em alguma parte do olhar, mas ela nunca toma conta. Em Santorini, meus amigos estão muito bem, os negócios prosperaram, a ilha está bombando. Como turista, percebi que a ilha e a Grécia em geral está mais barata do que nunca! Arriscaria dizer que está mais em conta do que nos últimos dez anos, na minha percepção.

Foi curioso perceber que os gregos de Santorini se preparam para a crise como se estivessem se preparando para a guerra. Tive a oportunidade de ver o quarto enorme na casa de uma amiga minha que virou um “mini-market”, onde o marido dela estocou de macarrão a sabão em pó suficiente para mais de um ano. Eles compraram armas novas de caça e prepararam o terreno com as sementes certas que vão garantir tomates e batatas para a família toda. Não se engane, porque não há grego coitado, não há vítima. Ele está sempre pronto. O grego é, sempre foi e sempre será colonizador, então ele é forte e está sempre preparado para os maiores desafios. E assim, os gregos, os naturalizados, os descendentes, os imigrantes, as esposas, os filhos, os amantes das Grécia e todos os outros que ali se encontram e que escolhem ficar no país sabem que dias difíceis virão por aí. Mas que, indubitavelmente, eles sobreviverão.

E se ficar insuportável, eles vão entrar em um barco e depois em um navio ou uma avião e vão atravessar o mundo em busca de uma vida melhor. Assim como meus avôs e milhares de outros gregos e pessoas do mundo todo fazem todo dia, a todo instante. É o ciclo da vida, certo? Então pra quê se preocupar? Vou ali preparar um café frappé para mim, vou me sentar na beira da janela da minha casa e observar os aviões levantarem voo direto do aeroporto de Congonhas. Afinal de contas, hoje está um belo dia para voar e a minha parte grega clama por uma apreciação do momento presente, mesmo que ínfima, rápida e passageira. O celular toca, os emails gritam e as mensagens não deixam o celular quieto na mesinha: eu sei, é difícil se desligar nos dias de hoje, mesmo que por breves 5 minutos. Ainda assim, escuto a voz grega que afirma que no amanhã tudo se resolverá e que em última instância me sussura: “não temas o ‘não saber'”.

Para finalizar, posto esta foto maravilhosa… a fotógrafa me clicou em Santorini enquanto eu estava pensativa, procurando por alguma luz! E não é que encontrei…? kkkkk E que possamos, cada um de nós, entender que a sombra é tão necessária quanto a luz. 🙂 Dias melhores virão, gregos e brasileiros, para todos nós!  Excelente quinta-feira para todos! 😉

lulu em Santorini

Foto de Bianca Ramos

Ei gente, aqui é a Lulu. Sou de família grega e italiana e morei em Santorini. Em 2014, tive o prazer de me casar na ilha de Santorini, lugar mais lindo do mundo! Moro em Amsterdam e viajo todo verão para a Grécia, para realizar o sonho de quem quer casar em Santorini. Pergunte que quiser. 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *