Para quem quer viajar mais (e sempre)

Se você é uma daquelas pessoas que amaaaaa viajar, mas ainda viaja muito menos do que gostaria, este post é para você! Se você acha que só quem é rico e “tem a vida ganha” é que consegue viajar tanto…este post é para você também!

Se você me segue, já deve ter percebido que não fico mais do que 30 dias no mesmo lugar 😉 E eu escolhi viver assim – isso mesmo, escolhi! Mas isso não quer dizer que foi uma escolha que caiu do céu no meu colinho e menos ainda que ocorreu da noite para o dia. E como recebo muitas perguntas sobre como  “criei” essa vida de viagens….aí vai o meu relato:

Como comecei a viajar

Quando era criança, sempre viajava com minha família nas férias. As viagens significavam muitas horas de carro – naquela época que viajava 6 pessoas em um carro, todas sem sinto de segurança e alguém segurando a torta de frango! Eu nasci em Belo Horizonte, Minas Gerais e a gente gostava era de ir para a praia, como todo e bom mineiro. Eu também adorava visitar a casa dos avós no interior 😉 E isso era o máximo que rolava!

Quando chegou a adolescência, minhas amigas foram para a Disney e NY mas eu era da turma da capoeira, do forró e o que eu queria era Arraial D’ajuda. Quando entrei na UFMG, depois de muito estudo e uma boa dose de sorte, fui para um congresso de Administração no Chile. E esta foi a primeira vez que eu viajei para fora do Brasil. Sozinha e a trabalho – e pronto: eu nunca mais seria a mesma.

A primeira viagem sozinho para o exterior

Nessa viagem conheci pessoas que me contaram de países distantes, culturas novas e de um estilo de vida que eu nem sabia que existia: o de viver viajando. Talvez, em 2005, isso quase não existia mesmo. Lembro que aquela foi minha primeira vez em um hostel, e dos medos que tive naqueles dias. Voltei do Chile decidida a fazer algo com a minha vida.

Eu queria viajar por longas temporadas, então trabalhei durante todo o período que fiz universidade, em mais de um emprego ao mesmo tempo, quando tinha essa oportunidade. Fracassar não era uma opção – a meta era ralar e fazer acontecer (eu era nova gente, cheia de vontade!). Em um certo semestre, quando a data da minha primeira grande viagem se aproximou, comecei a fazer eventos também (e aí era o terceiro turno). Eu sabia que meus pais me ajudariam se eu pedisse, mas não queria pedir uma viagem de “férias”, eu queria independência para “rodar o mundo”. E depois de muito trabalho e correria no curso – tranquei o semestre e fui conhecer o mar mediterrâneo com uma mochila de 12 quilos como única companheira.

Naqueles dias, não tinha skype, facebook, e o salário mínimo era menos de 300 reais. O mundo era outro, mas acredito que alguns de vocês têm idade para saber disso! Lembro que trabalhei de garçonete na primeira ilha grega que morei e achei que meu salário em euros era sensacional! Também fiz alguns trabalhos temporários nas outras ilhas. Tudo que pudesse me dar a chance de continuar viajando….eu fazia. Viajava com muito pouco, economizava, ficava em hostels de até 5 euros a diária (dormia em quarto misto – e dormia de roupa porque se precisasse sair correndo de algum tarado à noite, eu estaria pronta). Lavava pratos em troca de acomodação, se fosse o caso 😉 e fazia feliz.

Nesta primeira viagem, conheci muito bem a Grécia, descobri  a Turquia, me encantei pela Inglaterra e me aventurei pela Escócia. Lembro que vi o ano novo em Edimburgo voar pelos ares em uma noite de virada que teve furacão. Voltei para o Brasil para terminar o curso mas já estava decidida: eu iria voltar para morar na Grécia.

O momento da decisão

E foi isso que fiz, com muito, mas muuuuuuito esforço, gente. Acho que já devia ser parte do meu destino, porque eu era muito obstinada. Como minha família é toda de imigrantes europeus (meus pais são filhos de gregos de italianos e mais lá atrás temos sírios e portugueses na família também), viajar e mudar de país deve estar no meu sangue. Isso facilita na parte dos papéis e na dupla cidadania, mas não facilita na jornada rumo ao desconhecido.

Não gosto de me colocar em uma posição de vítima da vida – eu não sou!! – mas por muito tempo me sentia “uma sobrevivente”. Tive um dos piores empregos da minha vida na ilha grega de Corfu, mas aprendi muito sobre chefes abusivos, homens agressivos e pessoas malucas. Como sempre viajava sozinha, passei por situações tristes e sofridas relacionadas à tentativas de abusos sexuais, mas eu era uma sobrevivente e iria sobreviver. Então eu reagia, lutava, ou corria, fugia. Eu não queria nem pensar em desistir do meu sonho de viajar por causa do MEDO. Aprendi, por questão de sobreviência, a “ler as pessoas” e escolhi melhor os locais e as companhias. Me senti muito sozinha. Eu não contava com ninguém naqueles dias, mas a vida me deu presentes e fiz grandes amigos, muitas pessoas me ajudaram quando precisei. Minhas família veio me visitar algumas vezes quando morava fora e sempre me apoiou mesmo sem concordar com as minhas escolhas.

Perdi parentes queridos enquanto estava na luta para me estabelecer no exterior, e isso dói tanto que nem consigo descrever. Fiquei sem dinheiro e trabalhei em mais um tanto de empregos que eram vistos como “subempregos” mas realmente, nunca me importei. Eu estava aprendendo e tinha clareza que era apenas uma parte da minha jornada. E uma parte bem necessária para criar a força e resistência que eu iria precisar adiante – mas isso só Deus sabia.

Quando abri meu primeiro negócio eu tinha 23 anos e já tinha feito de tudo um pouco (inclusive trabalhado com organização de casamentos – quem diria!). A minha primeira loja em Santorini foi um sucesso e um fardo, que me alegrou e me fez chorar demais. Por questões pessoais, tive que largar tudo na ilha do vulcão e voltar para o Brasil. E aí recomecei de novo – pela terceira vez –  tinha 24 anos e me sentia uma velha cansada e fracassada.

Depois do segundo negócio, veio o tombo, depois do terceiro, mais lições e então abri meu quarto negócio. Todos estavam ligados a viagens, porque esse era meu sonho – viver viajando. Depois do primeiro negócio virtual, veio o segundo, o terceiro, o quarto e o quinto. E já estamos no sexto. Conheci meu marido, que também ama viajar e este é nosso hobby favorito. Noivamos em viagem pela Itália, casamos na Grécia – juntos já fomos para o polo norte e polo sul! E outras tantas viagens maravilhosas!

Depois de escrever mais de 500 posts sobre a Grécia, a paixão virou trabalho sério. Depois de ajudar mais de 200 noivas, veio a primeira noiva que me contratou e hoje somos a empresa que mais faz casamentos em Santorini para brasileiros – temos uma equipe e trabalhamos num ambiente onde sonhar é permitido! E a cada foto linda que vocês verem de mim, lembrem que eu devo ter tirado 200 para postar 1. Em cada registro de viagem maravilhosa que você ver, lembre-se que tem uma menina que já teve síndrome do pânico e medo de voar – mas como vocês já sabem, eu escolho que o MEDO não vai decidir a minha vida. Sou eu, de mãos dadas com Deus, que vou escolher meu caminho.

Este post saiu totalmente fora do que eu tinha planejado compartilhar com vocês (virou um desabafo maluco) mas espero que possa servir de reflexão e inspiração…..

Eu acho que o que que quero dizer é: tentem – tentem o máximo que vocês podem.

É assim que os sonhos se realizam.

E se hoje eu viajo o mundo todo, e tenho a alegria de viver todos os meus verões nas ilhas gregas é porque tem mais de 10 anos que mentalizo isso, mais de 3650 dias que trabalho para isso. Com muita fé, amor e gratidão!

E se você não tem grana e odeia seu trabalho, não desanime: espero que você possa encontrar o seu caminho. Não tem nada que funcione tão bem quanto o desejo vindo da escassez – quando ele vem atrelado ao sonho de ser feliz, feliz de verdade, com aquela felicidade do tamanho do mundo.

Não existe vida fácil – existe gente que não desiste. Desejo que você seja assim 🙂

Dicas-de-Santorini
Dicas de Santorini – Oia pela manhã

Quer ir para a Grécia? Saiba os preços!

A Grécia é um sonho para quem gosta de viajar. É mais barata do que grande parte da Europa, tem comida boa igual a França, festas animadas como Ibiza, lugares tão românticos como Veneza 😉 E o melhor de tudo: a Grécia tem as incomparáveis ilhas gregas. E a cidade mais deusa do mundo: Atenas!

viagem para a Grecia preços

ilha de Santorini dicas

Meu destino favorito desde sempre (e olha que eu viajo bastante), é bem mais fácil viajar na Grécia do que se imagina 😉 Hoje as pessoas que trabalham no comércio voltado para os turistas falam inglês e viajar de barco é bem mais barato e fácil do que se espera! Mas se ainda assim você tem receio de entrar em um avião em Guarulhos e descer em Atenas (sem nem mencionar a conexão em algum canto da Europa), uma ótima opção é contratar o serviço todo aqui do Brasil.

Já tem mais de um ano que eu estou organizando as minhas viagens com um agente chamado Tiago, do Viagem Perfeita, eu estou bem satisfeita com o resultado. Assim, pedi para ele fazer uma cotação completa de alguns dias na Grécia, já que muitos de vocês me perguntam por email e mensagens. Vocês vão ver que não precisa ser milionário para ir, tá?! É só se programar. Se você prefere viajar solo e tudo que precisa é de se organizar, o Tiago pode pesquisar passagens e hospedagem, porque o tempo, minha gente, é nosso bem mais valioso hoje em dia. As promos das passagens estão aí, mas não é sempre que a gente está online quando a oportunidade surge! E quanto aos hotéis, como escolher uma opção que cabe no seu bolso e está bem localizada, segura, fresquinha e limpinha? Não é sempre que consigo ter essa certeza pelos sites, então um agente ajuda muito nessa hora também. E o melhor: deu pepino em algum passeio, deu stress no hotel, o tempo fechou e o avião não vai voar? Liga para o agente que ele te salva!

Bem, vou deixar o email do Tiago aqui para vocês entrarem em contato diretamente: viagemperfeita@ig.com.br.  Aliás, se puderem ser gentis comigo, avisem para ele que acharam o contato no meu blog (da Lulu, da Luana da Grécia, da Luana grega, da Luana Sarantopoulos, etc) 🙂 Eu indico de coração mas qualquer ajuda de divulgação do blog é mega bem-vinda!

Então, vamos a sugestão de roteiro e aos preços? Lembrando que esta é apenas uma das muuuitas opções de viagem para a Grécia que o Tiago indica. Escolhemos um roteiro que inclui Atenas e Grécia Clássica e ainda um cruzeirinho pelas ilhas mais top, sensacional! Se você não sabe nada sobre a Grécia, leia meu post Cultura, balada ou romance: qual é a sua Grécia?, clicando aqui.

Dia 1: chegada em Atenas e tempo livre

Dia 2: ATHENAS – KAMENA VOURLA – KALAMBAKA

Saída no começo da manhã rumo ao norte da Grécia. Parada em KAMENA VOURLA, bonito centro turístico junto ao mar, entre magníficas paisagens. Continuação da viagem a KALAMBACA, chegada no início da tarde. Visita do vale de METEORAS, impressionante lugar declarado Patrimônio da Humanidade pela UNESCO. Teremos a possibilidade de entrar a um dos mais famosos mosteiros. Jantar incluído.

Dia 3: KALAMBAKA – DELFOS – ATHENAS

Saída rumo ao sul através de Tessália. Entre lindíssimas paisagens chegada à DELFOS. Tempo livre para almoçar e conhecer o belo conjunto arqueológico que domina o golfo de Corinto com suas espetaculares paisagens. Continuaremos a viagem até ATENAS, onde chegaremos à tarde. Visita panorâmica de Atenas, incluindo: a cidade moderna, o estádio Panathinaikos, o Palácio Real, e a zona de PLAKA, lugar repleto de pequenas tabernas gregas onde você poderá desfrutar também do rico folclore deste país.

Dia 4: ATHENAS

Dia livre. Poderão aproveitar do encanto desta cidade. Tempo livre para passear e descobrir lugares para recordar.

Dia 5: ATHENAS – MYKONOS

Após o café da manha, traslado ao Porto do Pireu. 11 hrs.- Saída de Pireu. Belas paisagens marítimas. 18 hrs.- Chegada prevista a MYKONOS. Tempo na ilha dos moinhos de vento, com casebres junto ao mar. -23 hrs.- Saída de Mykonos. Noite a bordo.

Dia 6: MYKONOS – KUSADASI – PATMOS

07.00 hrs.- Kusadasi -Chegada na costa Turca. Poderá fazer compras em seus bazares ou adquirir a excursao para ver a antiga Éfeso.- 12.00hrs.- Kusadasi -saida rumo a Patmos-. 16.00hrs.- Patmos -Chegada-. A ilha onde o apóstolo São João escreveu o Apocalipse, você poderá conhecer a caverna onde ele morou, próxima ao Mosteiro do Apocalipse. 21.00 hrs.- Patmos -saída-. Noite a bordo.

Dia 7: CRETA – SANTORINI – ATHENAS

07.00 Hrs.- Heraklion.- Chegada a capital da ilha grega de Creta junto aos restos arqueológicos de Cnosos. 11.30 Hrs.- Saída. 16.30 Hrs.- Santorini, uma das mais impressionantes ilhas do Mediterrâneo com seus abismos e vistas sobre o mar. Às 21.00 hrs o navio volta a navegar. Noite com festa a bordo.

Dia 8: ATHENAS

07.00 hrs.- Atenas-Pireu Desembarque no início da manhã no Porto e fim dos nossos serviços. Nota: Caso solicitem noites extras em Atenas, o traslado do Porto ao hotel não está incluso e será faturado.

Pacote 9 dias incluindo : Aéreo + Roteiro completo +  Hotel com café da manhã + Taxas de embarques

Valor Casal  – R$ 13.900,00 ( os preços variam porque dá para montar a sua viagem personalizada!)

E aí, gostaram? Em breve vou colocar outras opções para vocês, tá?  Quem animou de ir para a Grécia comigo? Bora pessoal!!! Vamos movimentar a economia do país e ainda curtir cada minuto de nossas viagens 😉 Bjs (diretamente de Mykonos!)!

casamento em Santorini