Veneza, maio de 2013.

Eu sei, eu sei. Estou sumida do blog. Mas a minha vida, meus caros, anda muito agitada. E hoje quero compartilhar com vocês um pouco do que fiz, no último mês. O calor de 40 graus em SP me fez mudar radicalmente a rotina. Fazer o meu treino na academia só é possível as 6:30 da manhã, para a pressão não abaixar muito. Ah, mudei de dieta também: agora não como glúten nem laticínios. E eu que debochei muito das pessoas noinhas que achavam que o glúten era o maior vilão do mundo, mesmo quando o Bin Laden ainda andava por aí, começo a ver os resultados no corpo menos inchado e no sono mais tranquilo. Em meio a estas mudanças,  uma amiga fofa me pediu para juntar tudo que eu mais gosto de falar e escrever para a página dela, facebook.com/euamoagrecia. O resultado foi maravilhoso: para ela, para os mais de 2000 leitores e de uma maneira especial, para mim.

Sei que amo escrever. Mas descobri que muitas pessoas gostam de ler o que escrevo, de verdade. Aí vai o primeiro da série do Meu Casamento Grego em Santorini. Espero que gostem:

Veneza, maio de 2013. Depois de um pedido de casamento de filme romântico, ele reafirmou: “Eu quero em Santorini, mesmo. Você tem certeza que consegue organizar nosso casamento do outro lado do mundo?”. Eu sabia que sim. Se o mundo fosse meu corpo, Santorini seria meu coração. Mas não sabia por onde começar.  Antes de decidir quantos convidados seriam e qual o estilo da cerimônia, fizemos várias consultas no Google. Afinal, as limitações da ilha deveriam ser respeitadas. Muitos lugares que celebram casamento em Santorini são tão exclusivos que são muito pequenos, mal poderiam acomodar a parte grega da minha família. A ilha é tão procurada como destino para casamento que quase não existem datas disponíveis até 2016. Algumas empresas fazem a organização e oferecem o serviço de wedding planner e achamos prudente contratar uma. O show começa, a música toca. Existem alguns protocolos “gregos”, não existem muitas opções de decoração. Mas quem precisa disso se o famoso “SIM” pode ser dito na Caldera de Firá, de frente para o rei vulcão? Nos entregamos ao som do violino e do bouzoki , na festa nas areias negras da praia de Vlixada e mal podemos esperar pelo menu grego e quebra de pratos. Assim, nós escolhemos dançar conforme a música, e é grega. Nós e nossos 100 convidados que virão de várias partes do mundo, direto para Santorini. Vou postar fotos de algumas opções de local para cerimônia e recepção. Quem quiser alguma dica mais direta sobre onde fazer, ou qual companhia contratar, pode entrar em contato comigo! 😉 luana.sarantopoulos@gmail.com

Lulu em_ Santorini

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *