Sonhos e devaneios

We are still masters of our fate….

 

 

 

Recebi a motivação do dia de uma pessoa super especial e vou postar aqui para vocês.

 

Quando vi, sabia que era dia de postar algo no LULU. Escolhi um dos meus poemas favoritos de todos os tempos,  que foi o primeiro post deste blog, quando eu ainda nem sabia o que escrever, só sabia que queria escrever. Falando em escrever, tive surpresas boas há alguns dias atrás. Minha tia lançou mais um livro, ótimo e cheio de mistério e deu uma entrevista no Globo News este fim de semana (depois posto para vocês). Escrever é bom né!? Tem que ter muita coragem, porque é perigoso também, afinal a gente nunca pode imaginar o que as pessoas que lerem vão entender. Eu, por exemplo, li um livro de um amigo uns dias atrás, e achei que a Luana da história era eu!!

Anyway, voltando ao poema de William Ernest Henley, espero que ajude os aflitos, eu sempre repito (em inglês) nos momentos de semi- desespero:

Out of the night that covers me, ————- Noite fora que me cobre
Black as the Pit from pole to pole, ———– Negra como um Breu de ponta a ponta,
I thank whatever gods may be ————— Eu agradeço, a sejam quais forem os deuses
For my unconquerable soul. —————– Por minha alma inconquistável.

In the fell clutch of circumstance ———— Nas cruéis garras da circunstância
I have not winced nor cried aloud. ———- Eu não fiz cara feia ou sequer gritei.
Under the bludgeonings of chance ———– Sob as pauladas da sorte
My head is bloody, but unbowed. ———— Minha cabeça está sangrenta, mas não abaixada.

Beyond this place of wrath and tears ——— Além deste lugar de raiva e lágrimas
Looms but the Horror of the shade, ———- É iminente o Horror da escuridão,
And yet the menace of the years ————– E ainda o avançar dos anos
Finds, and shall find, me unafraid. ———— Encontra, e deve me encontrar, sem medo.

It matters not how strait the gate, ————- Não importa o quão estreito seja o portão,
How charged with punishments the scroll, ————— O quão carregado com castigos esteja o pergaminho,
I am the master of my fate; ——————— Eu sou o mestre do meu destino;
I am the captain of my soul. ——————– Eu sou o capitão da minha alma.

Há quem precise de ouvir: não há mal que nunca acabe. Já que realmente temos que passar por certas coisas na vida, devemos aprender com isso, de algum jeito, senão vamos voltar de novo (nãaaaaaaao!). Então, o jeito é relaxar e sair para tomar um cafezinho antes do mundo acabar, como os gregos sabem fazer…

Ótima semana para todos!

Ei gente, aqui é a Lulu. Sou de família grega e italiana e morei em Santorini. Em 2014, tive o prazer de me casar na ilha de Santorini, lugar mais lindo do mundo! Moro em Amsterdam e viajo todo verão para a Grécia, para realizar o sonho de quem quer casar em Santorini. Pergunte que quiser. 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *